Tuesday, December 4, 2012

As mortes de estudantes estão a exigir respostas - Por Mauro Werkema


A morte de dois estudantes de Ouro Preto não são fatos isolados. Ou meramente casuísticos. Integram-se num mesmo contexto, numa mesma relação causal. Decorrem de uma só situação, que é a de desregramento e de libertinagem.  que impera em Ouro Preto. Vinculam-se a estas duas mortes outras, também sem apuração mas que  refletem a impunidade e que acabam por permitir, senão estimular, todos este contexto: o assassinato da advogada Valmeire, misteriosamente, na sua Direita, chamada Rua da Lama; o assassinato da estudante Aline, em circunstâncias estranhas, encontrada nua e supliciada no Cemitério da Igrejas das Mercês de Cima, em assustador ritual; ou mesmo o assassinato do ex-prefeito de Mariana, João Ramos, também sem o devido esclarecimento de autoria e execução. Juntam-se a isto várias outras pequenas transgressões, falta de cidadania e civismo, a falta de ação das autoridades, a indiferença da Universidade, a falta de ações enérgicas e de comando  da cidade e  muito mais, como todos os moradores o sabem.

É lamentável  escrever isto sobre Ouro Preto, belíssima cidade, conhecida internacionalmente, destino turístico, detentora de um acervo histórico, artístico e cultural de singular exemplaridade, inscrita nos Livros do Tombo da UNESCO como Cidade Patrimônio Cultural da Humanidade. O que houve? Como se explica o quadro atual?  Sabemos todos das virtudes cívicas da cidade, que ajudou a construir a nacionalidade brasileira, lutou pela liberdade e, em vários momentos, sacrificou seus filhos em luta contra o arbítrio. Ouro Preto não merecia estar no noticiário, como nos últimos dias, com imenso prejuízo para a sua reputação. E igualmente para suas autoridades, para sua Universidade, para sua condição de  cidade de cultura, que recebe visitantes de todo o mundo.

As “repúblicas” extrapolaram. Festas mirabolantes e mortes. Excessos de bebidas, drogas, promiscuidade. Sodoma e  Gomorra, sem limites, sem freio ou censura, a liberalidade total, em que tudo vale. É este, infelizmente, o quadro que se constata, sob protesto dos moradores, incomodados pelos festins absolutamente perturbadores do silêncio e da paz públicas. E o que é mais incompreensível: em alojamentos estudantis, em alguns prédios públicos, onde o estudo e o recolhimento deviam imperar, mesmo nas festas, próprias dos jovens, assim como a alegria é inerente ao ser humano e deve ser cultivada. A Prefeitura já tentou interditar “república”, o Ministério Público já celebrou um Termo de Ajustamento de Conduta, a Câmara Municipal  propôs discussão, a população condena e atritos são semanais, as duas polícias, Civil e Militar, se sentem  impotentes. E ações isoladas, de mera repressão pontual, já não mais adiantam.

Há um relatório elaborado pela PM que circula nos meios policiais, turísticos e culturais. Relata a situação excepcional de Ouro Preto. Adverte sobre este quadro e o pinta em cores dramáticas.  Teme por acidentes maiores nas grandes festas, como o Carnaval e o Doze de Outubro. Intervenções emergenciais, de bombeiros ou de socorro, se tornam quase impossíveis devido à massa humana que toma as ruas. O controle policial se transforma em agressões e pancadarias, como todos já vimos várias vezes. Não haveria como controlar grandes acidentes. A cidade recebe mais de 30 mil pessoas, quase metade da  população urbana. Os serviços públicos entram em pane.

Noticia a imprensa que as “repúblicas” já anunciam hospedagem para o Carnaval. Prometem serviço completo, mais do que os hotéis, com que competem. E propiciam  a folia sem limites. Deveriam recolher-se em respeito aos colegas mortos. Guardar sua memória. Mas, em geral, não revelam estes sentimentos. Já eram em meio ao comprometimento já corrompido.  A insensatez e a irresponsabilidade coletivas, incentivas pela  certeza da impunidade, escurecem as consciências. É a orgia geral, que desencadeia nos seres humanos os piores instintos e reduz, senão anula, a consciência ética. Algo precisa ser feito, em ação coletiva de todos os envolvidos, a começar pela UFOP, passando pela Magistratura,  Ministério Públicos, organismos policiais, Prefeitura e Câmara. E as lideranças estudantis, se ainda existem e têm alguma respeitabilidade. E tem que ser agora, na comoção destas duas mortes, e até em sua memória,  na antevéspera do Carnaval e de uma nova gestão municipal, como também quando se escolhe  um novo reitor.

Via:  http://www.ouropreto.com.br/noticias/detalhe.php?idnoticia=6864#.UL5v-TOFroN.facebook


No comments:

Copyright 2011 by Daniel C. Orey All rights reserved. No part of this website may be reproduced or utilized in any form or by any means, electronic or mechanical, including photocopying, recording, or by any information storage and retrieval system, without permission in writing from the author.