Wednesday, March 23, 2016

Via FB: Estou em construção!






Mais uma pérola preciosa do papa.
Durante a nossa vida causamos transtornos na
vida de muitas pessoas,
porque somos imperfeitos.

Nas esquinas da vida, pronunciamos palavras inadequadas,
falamos sem necessidade,
incomodamos.

Nas relações mais próximas, agredimos sem intenção ou intencionalmente.
Mas agredimos.

Não respeitamos o
tempo do outro,
a história do outro.

Parece que o mundo gira
em torno dos nossos desejos
e o outro é apenas
um detalhe.

E, assim, vamos causando transtornos.
Esses tantos transtornos mostram que não estamos prontos, mas em construção.
Tijolo a tijolo, o templo da nossa história vai ganhando forma.
O outro também está em construção e também causa transtornos.
E, às vezes,
um tijolo cai e nos machuca.
Outras vezes,
é o cal ou o cimento que suja nosso rosto.
E quando não é um,
é outro.
E o tempo todo nós temos que nos limpar e cuidar das feridas, assim como os outros que convivem conosco
também têm de fazer.

Os erros dos outros,
os meus erros.
Os meus erros,
os erros dos outros.

Esta é uma conclusão essencial:
todas as pessoas erram.
A partir dessa conclusão, chegamos a uma necessidade
humana e cristã:
o perdão.

Perdoar é cuidar das feridas e sujeiras.
É compreender que os
transtornos são muitas vezes involuntários.

Que os erros dos outros são
semelhantes aos meus erros e que,
como caminhantes de uma jornada,
é preciso olhar adiante.

Se nos preocupamos com
o que passou,
com a poeira,
com o tijolo caído,
o horizonte deixará de ser contemplado.
E será um desperdício.

O convite que faço é que você experimente a beleza
do perdão.
É um banho na alma!
Deixa leve!

Se eu errei,
se eu o magoei,
se eu o julguei mal,
desculpe-me por todos
esses transtornos…
Estou em construção!

- PAPA FRANCISCO

Via FB:


Monday, March 21, 2016

What If There Were Only 100 People On Earth?

From Core77 blog, Wednesday, March 16, 2016. See http://www.core77.com/posts/49281/What-If-There-Were-Only-100-People-On-Earth
********************************
What If There Were Only 100 People On Earth?

Video infographic demonstrates global statistics in an easily graspable way

By Rain Noe

It's tough to wrap your head around 7.125 billion of anything, let alone human beings. So Gabriel Reilich, GOOD's Head of Video, dove into statistics from the CIA's World Factbook--then crunched the numbers to illustrate what our current situation would look like if there were just 100 people on Earth, rather than 7.125 billion.

To be clear, Rielich's reduced the world's population to 100 people proportionally. He then worked with animator Jake Infusino to demonstrate how things shake out: How many out of that 100 have cell phones, internet, roofs over their heads? What language do most of us speak? What kind of physical shape are most people in? What income bracket do you fall into, relative to the other 99?

Sunday, March 20, 2016

Aqui está a minha opinião humilde sobre o que está acontecendo no Brasil e nos Estados Unidos. // Here is my take on what is happening in both Brasil and the United States.


Here is my take on what is happening in both Brasil and the United States.

I absolutely detest all forms of corruption, left, right, up, down, male, female, straight, gay, professor, student, rich and poor.

Period.

And so, I will continue to fight corruption in my own way, I cannot solve the big things, but I can make a change in how I react: By striving to be as honest as I can; by showing up on time to meetings and not inconveniencing others by being late; by not littering - and by picking up someone else’s litter each day; by giving up a seat on the bus to someone else; by staying in line, and not giving space to those who cut in; by treating everyone I encounter with a smile; by treating those around me with compassion - especially when the powers that be deem it OK to take care of themselves first and ignore the unacceptable work conditions they create for the rest of us.

I will continue to help my students, and remind them that when they do not complete their work, or cheat, or plagiarize, or submit below standard work, that millions of people are paying exorbitant taxes to give them this opportunity to study, to make this country better, and they have a responsibility to pay if forward.

This is the dharma (and my Oregon roots) that calls me to this – where I am learning to treat everyone I encounter with respect, compassion and manners. Forgive me when I am frustrated and forget.

I am grateful to both my countries for giving me the incredible opportunities I have. I only wish the same for all my friends, students, family, and neighbors… even those I don’t always understand or agree with.

To me, diversity means extending ones hand in friendship to everyone in sincere and respectful dialogue, especially those who disagree with me.

Corruption begins with the little stuff, and it stops with me here.

---

Aqui está a minha opinião humilde sobre o que está acontecendo no Brasil e nos Estados Unidos.

Eu absolutamente detesto todas as formas de corrupção, de esquerda, de direita, de cima, de baixo, masculina, feminina, straights, gays, professores, estudantes, ricos e pobres.

Ponto.

E assim, eu vou continuar a lutar contra a corrupção em meu próprio caminho, eu não posso resolver as coisas grandes, mas posso fazer uma mudança em como eu reajo: Esforçandome para ser tão honesto quanto possível; chegar no horário para os reuniões, não incomodar os outros, não jogar lixo na rua e pegar lixo que outras pessoas jogam a cada dia, oferecendo o meu assento no ônibus para uma outra pessoa, ficar em fila e não dar espaço para aqueles que a querem furar, sorri para todo mundo que eu encontro; tratar os que me rodeiam com compaixão - especialmente quando os poderes consideram OK cuidar de si mesmos em primeiro lugar e ignorar as condições de trabalho inaceitáveis ​​que criam para o resto de nós.

Eu vou continuar ajudando os meus alunos e lembrar-lhes que, quando eles não completarem o seu trabalho, ou enganar, ou plagiar, ou submeter trabalho abaixo do padrão, que milhões de pessoas estão pagando impostos exorbitantes para dar-lhes a oportunidade para estudar, para fazer este país melhor e, eles têm a responsabilidade de pagar isso em frente.

Este é o dharma (e minhas raízes do Oregon) me chamam para isto, onde estou aprendendo a tratar a todos que eu encontro com respeito, compaixão e boas maneiras. Perdoem-me quando estou frustrado e esqueço.

Sou grato aos meus dois países por dar-me as oportunidades incríveis que eu tenho. Eu só desejo o mesmo para todos os meus amigos, alunos, familiares e vizinhos... mesmo aqueles que nem sempre me entendem ou concordam.

Para mim, a diversidade significa que eu tenho que estender as minhas mãos em amizade para todos no diálogo sincero e respeitoso, especialmente, com aqueles que discordam de mim.

A corrupção começa com as coisas pequenas e param comigo aqui.
Copyright 2011 by Daniel C. Orey All rights reserved. No part of this website may be reproduced or utilized in any form or by any means, electronic or mechanical, including photocopying, recording, or by any information storage and retrieval system, without permission in writing from the author.